domingo, 12 de janeiro de 2014

ZEITGEIST 2 Addendum | HD COMPLETO Brasil

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Acerca de dízimos e ofertas


Acerca de dízimos e ofertas

A motivação que me levou a escrever um pouco sobre o tema acima é a maneira agressiva, e até mesmo ameaçadora, com que certos pastores evangélicos têm usado na televisão para pedir dinheiro.  Não quero incitar os crentes a negar dízimos e ofertas mas, evitar decepções ocasionadas por falsas promessas como já experimentei.
Ao fazer promessas falsas para os prováveis ofertantes é muito comum citar aquelas contidas em Deut.28:1-14. Mas, não explicam que elas são condicionais. No versículo 1 existe a exigência de guardar todos os mandamentos da Lei de Moisés. Ora, sabemos que existem mais de 600 obrigações a serem cumpridas na Lei como, por exemplo: guardar o Sábado, ofertar animais para expiação do pecado, etc... Assim, se o pré-requisito não fosse obedecido a promessa também não seria alcançada. Note também que as promessas foram feitas ao povo de Israel, sob a Aliança Mosaica, portanto, não se aplica aos cristãos porque Jesus Cristo instituiu uma Nova Aliança conforme Mateus 26:28. Essa anulou a antiga aliança conforme 2Cor 3:6-15, Gal 3:13-25, Heb 7:11-28, Heb 8:8-13, Heb 9:1-26, etc...
Outra promessa, que também é muito citada pelos requisitantes de dinheiro, diz respeito à semeadura e colheita. Explico: Jesus contou a parábola do semeador conforme Marcos 4:1-20. Na explicação, Jesus foi claro ao dizer que a semente é a Palavra de DEUS. Os nossos pregadores estão distorcendo-a ao pedir para “semear uma oferta” e que essa será multiplicada por 30, 60 ou 100. DEUS não é banco de investimento! Eu nunca vi tal acontecer.
Outro argumento utilizado para solicitar dinheiro é 2Cor 9:6-13. É evidente que o contexto citado está se referindo a recursos para suprimento das necessidades dos santos. Agora o que me chama a atenção é que no original grego a palavra SPERMA (é isso mesmo que você pensou) foi traduzida como semente (versículo 10). Já no contexto do parágrafo anterior, sobre a parábola do semeador, a palavra usada no grego para designar semente foi SPORO (vide Lucas 8:11). Ai eu fico em dúvida, pois Jesus deixou claro que a semente é a Palavra de DEUS. Quando os nossos pregadores solicitam que seja “semeada uma oferta” tendo como base o texto de 2Cor 9:6, prometendo aos ofertantes abundante colheita financeira, eu entendo que não é correto, pois o contexto está se referindo ao sustento dos santos para pregação do evangelho e abundante colheita de almas.  
Outra maneira de pedir dinheiro, não sei se maliciosamente ou por ignorância, é citar Lucas 6:38 “Dai e dar-se vos-á boa medida, recalcada, sacudida, transbordante...”. Esse é o mal de não se examinar o contexto. O versículo anterior (6:37) está falando a respeito de perdão e julgamento e não de ofertas. A concordância com outras passagens bíblicas Marcos 4:24 e Mateus 7:2 nos leva a concluir que medir tem o mesmo sentido de julgar e dar é uma referência a perdão.
Também é muito usado para pedir dinheiro o texto de Marcos 12:41-44 e Lucas 21:1-4 conhecidos como “oferta da viúva”. Um dos princípios da Hermenêutica (ciência para interpretação) é que não se pode instituir uma doutrina a partir de um versículo (no caso, os dois tratam do  mesmo episódio). A viúva fez uma oferta a partir de uma ordem ou revelação específica  de DEUS. Outro texto análogo, diz respeito à viúva de Sarepta de Sidom. DEUS mandou o profeta Elias ir até ela para que fosse sustentado. No entanto, a viúva não possuía recursos, só uma última porção de farinha. Elias deu a ordem para que ela lhe fizesse um bolo porque a sua farinha nunca mais acabaria, conforme a palavra de DEUS (vide 1Reis 17:8-16) e tal sucedeu.  Não se pode estender o exemplo para todos. Se uma pessoa tomasse a seguinte decisão: “Pedro andou sobre as águas então eu também andarei”. Certamente isso constitui tentação a DEUS e não será respondido. A pessoa irá se afogar. Se eu resolver entregar todo o meu dinheiro sem que tenha havido uma ordem específica de DEUS, isso é tentação. Não haverá resposta de DEUS, pois o Senhor só tem compromisso com a Sua palavra. Não são raros os casos que as pessoas entregam tudo o que têm nas igrejas, baseados em promessas de pastores irresponsáveis. Quando as respostas não vêm, elas entram em desespero e caem da fé. Para completar a maldade, em face das promessas não recebidas, os pastores as acusam de falta de fé. Não devemos tentar a DEUS fazendo aquilo que Êle não mandou.
Quanto ao dízimo, no Antigo Testamento a sua finalidade, sem dúvida, é para sustentar o sacerdote levita que ministrava no templo do Senhor, conforme Malaquias 3:10. É pouco falado no Novo Testamento (NT). O escritor de Hebreus cita Abraão entregando dízimos ao sacerdote Melquisedeque. Em Mateus 23:23 Jesus repreendeu escribas e fariseus alertando sobre o que é mais importante na Lei não é o dízimo, mas o juízo, a misericórdia e a fé. Ainda no Novo Testamento, no livro de Atos 15:28-29 temos uma importante recomendação dos apóstolos para os novos cristãos: “Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor mais encargo algum senão estas coisas necessárias: que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, do sangue, da carne sufocada, e da fornicação; desta coisa fareis bem se vos guardardes.”. O Apóstolo Paulo talvez tenha sido um dos maiores pregadores do Evangelho, no entanto, trabalhava tecendo tendas para não ser pesado (consumidor de recursos financeiros) aos irmãos. Vide 1Tess 2:9 e 2 Tess 3:8.
Concluindo, sem dúvida, esse é um assunto polêmico e complexo, mas, podemos extrair algumas lições:
1-Não devemos confiar em falsas esperanças de pregadores que nos prometem abundâncias baseados em textos da Velha Aliança. Desconfie de qualquer promessa de abundância fora da Nova Aliança proposta por Jesus Cristo.
2-A obra de propagação do Evangelho na Terra precisa de dinheiro para ser feita. Sem hipocrisia, o servo que vive exclusivamente para obra de DEUS necessita de recursos financeiros para seu sustento;
3-Ofertar dinheiro para pregadores desfilarem de jatinho particular, morar em mansões suntuosas  e andar de carros importados de último tipo, não tem amparo bíblico. Não devemos temer as suas ameaças;
4-Decretos de prosperidade também não tem fundamento bíblico. No NT, as únicas referências a decretos são do imperador romano César. Não existe referência no NT a decretos por parte dos apóstolos. Muitos pastores “decretam” isso e aquilo e nada acontece. Aliás, só pode emitir decreto quem tem autoridade e amparo legal para isso;
5-A nossa contribuição não pode estar além das nossas possibilidades. Se você entregar o dinheiro do seu aluguel como oferta, esperando algo em troca, não demorará ser despejado.
6-DEUS não cobra para fazer milagres em nossas vidas, seja cura ou qualquer outra coisa. As bênçãos de DEUS não são compradas.
7- Conforme está em Mateus 6:25-34 os lírios do campo e as aves do céu não “semeiam ofertas” nem colhem, no entanto, DEUS cuida deles. Jesus perguntou: “Não tendes vós muito mais valor do que elas?”. Isto é, DEUS te ama independentemente de você ofertar ou não. Aliás, esse ensino de Jesus me leva a concluir que DEUS vai cuidar de nós mesmo sem termos ofertado.
8-Antes de ofertar, certifique se o destinatário da oferta está de acordo com os parâmetros da Bíblia e se a doação vai ser realmente utilizada para o Reino de DEUS.
Devemos contribuir sim para que a obra de DEUS seja feita, mas, com prudência e sabedoria.
Muitas outras coisas poderíamos escrever, mas, para que a leitura não se torne cansativa, aqui encerramos.
Fraternalmente em Cristo Jesus.
Waltênio

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Como funciona a Fé

Para entender como funciona a fé primeiramente vamos entender a constituição do Homem. A Bíblia nos diz que o Homem é constituído de corpo, alma e espírito (vide 1Tess 5:23 e Heb 4:12). O corpo interage com o mundo ao redor através dos cinco sentidos (audição, olfato, tato, paladar e visão). A alma é a sede das emoções, sentimentos, razão, vontades, desejos, etc... O espírito faz a comunicação e mantém a comunhão com Deus. O pecado cortou esse relacionamento com Deus (vide Isaias 59:2) tornando morto o espírito do Homem (Romanos 8:13 diz:  porque se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis.). Mas, ao se reconciliar com Deus, por meio de Jesus Cristo, o Homem tem o seu espírito recriado, sendo esse fato conhecido como o novo nascimento. Eis o que diz João 3:5-6:
"Jesus respondeu: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.    O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito." 

Agora veja o que acontece quando uma pessoa não é nascida de novo, isto é, o seu espírito está morto. Por exemplo, suponha que ela perca o emprego e está repleta de dívidas a pagar. Ela percebe o problema no mundo exterior, por meio dos sentidos, e envia a informação para a alma. A alma inicia um processo de análise da situação por meio da razão e da inteligência. Se não há alternativa, a alma começa a emitir sinais de perigo ao corpo o qual reage com descargas de adrenalina, hipertensão arterial, aceleração dos batimentos cardíacos, etc. Continuando a reação em cadeia, aparecem as insuficiências renais, diabetes, baixa de imunidade, etc... evoluindo para quadros de depressão profunda, podendo culminar em suicídio.

Agora veja a situação de alguém que é nascido de novo, diante dos  problemas da vida.
Ao analisar a situação, a pessoa irá buscar de Deus uma solução para o problema por meio da comunicação da alma para o espírito do Homem. Antes de prosseguir, serão considerados alguns conceitos.
A definição clássica de fé, conforme a Bíblia, está  em Hebreus 11:1 que diz: "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem.". De onde vem a fé? Em Romanos 10:17 diz: "Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo". Que "palavra" é essa? No grego original está escrito rhema que significa palavra destinada para uma pessoa específica diante de uma situação específica a partir da Palavra geral de Deus. Explicando: a pessoa deve ler constantemente a Palavra de Deus expressa na Bíblia. Essa atitude vai armazenando a Palavra no espírito do Homem. Quando surge uma necessidade,  ela estará lá e será manifesta à consciência da pessoa. Por exemplo, se a pessoa descobre que está com HIV, a sua alma, por meio da razão, diz à sua consciência que não há cura para tal enfermidade. Mas, se a alma estiver submissa ao espírito do Homem então será revelada que "pelas suas feridas fomos sarados" Isaias 53:5. A alma recebe a mensagem do espírito e transmite a mensagem ao corpo, dando início ao processo de cura. Veja o exemplo do aleijado na porta do templo ao qual Pedro e João dirigiram a palavra conforme Atos 3:16 diz: "E pela fé em seu nome fez o seu nome fortalecer a este homem que vedes e conheceis; sim, a fé, que vem por ele, deu a este, na presença de todos vós, esta perfeita saúde.". Por isso que Isaias 26:3 diz: "Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti.".

Portanto, chegamos às seguintes conclusões:
1) A fé não vem de nós conforme Heb 12:2 diz: "fitando os olhos em Jesus, autor e consumador da nossa fé, o qual, pelo gozo que lhe está proposto, suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está assentado ã direita do trono de Deus.".
2) Sem a leitura rotineira da Palavra de Deus não pode existir a fé. A Palavra deve ser armazenada no espírito do Homem.
3) Fortalecer o espírito do Homem ao invés da carne (alma) conforme o proceder de Abraão descrito em Romanos 4:19-21: "e sem se enfraquecer na fé, considerou o seu próprio corpo já amortecido (pois tinha quase cem anos), e o amortecimento do ventre de Sara; contudo, à vista da promessa de Deus, não vacilou por incredulidade, antes foi fortalecido na fé, dando glória a Deus, e estando certíssimo de que o que Deus tinha prometido, também era poderoso para o fazer.".
4)  Diante de uma adversidade busque a Palavra rhema para tal situação. Tendo obtido a Palavra, confesse-a em voz audível.
5) O exercício para o corpo é o físico (malhação, corrida, etc...). O exercício de fortalecimento para o espírito do Homem é a confissão em voz audível da Palavra rhema. Por meio da confissão a alma transmite ao corpo a palavra de vitória e paz mesmo que as circunstâncias sejam contrárias.


Poderíamos estender essa breve meditação por várias páginas citando exemplos de Gideão, Daniel, Moisés, Josué, etc... No entanto, o que queremos transmitir aqui é o princípio de funcionamento da fé.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Salvação

Disse Jesus:

Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo e leve.

Mateus 11; 28-30

Portanto, meu amigo (a) se você não suporta mais o fardo do sofrimento, dos problemas, das enfermidades, da falta de paz, etc... basta pedir ou mesmo clamar em voz audível a Jesus para cuidar da sua vida e você verá a diferença.